quinta-feira, dezembro 06, 2007

No fundo da Lagoa do Barreiro-12

A mídia araxaense passou a acompanhar com muita atenção os passos de Elvinho Camaleão. Um detetive particular, hospedado nos gramados do Barreiro, em uma barraca, por dias a fio, e ainda por cima começando a ter pistas novas, geralmente não passa em branco.
O nono dia desde o desaparecimento de Olavo da parte superior da terra foi marcado pelas descobertas de Elvinho. O sagaz detetive passou dez horas seguidas mergulhando na Lagoa do Barreiro, depois de ter ouvido um estrondo na lagoa na noite anterior.
Sua persistência acabou se concretizando na pista mais concreta até agora: ao tentar retirar lama do fundo da lagoa, Elvinho deparou-se com um jato de água vindo do fundo. Como nunca tinha visto aquilo, continuou retirando lama das partes próximas ao jato. Porém, descobriu que o jato só vinha daquele local. Começou a ficar atento ao “ fenômeno natural” para ver se ele poderia ter alguma ligação com o sumiço de Olavo. Duas horas depois do aparecimento do jato, o volume de água começou a diminuir, até parar definitivamente com mais trinta minutos. O resultado disso para a Lagoa do Barreiro foi de assustar: a lagoa atingiu seu maior nível desde 1928, tendo abocanhado para seu interior quatro toalhas de piquenique, dez varas de pesca semiprofissionais e uma com molinete.
Do outro lado, sem ainda fazer parte das mais intensas imaginações de Elvinho Camaleão, Ana Jacinta passou as mesmas duas horas e trinta minutos corrigindo um defeito no sistema de isolamento da mansão. Convocou trinta homens e ainda duas de suas mais atléticas sereias para realizarem um trabalho de emergência, para que o segredo não viesse á tona. Foi colocada no vazamento uma “ pasta dupla de água sulfurosa com doce de figo”, que conseguiu surtir efeito depois de muito esforço de todos.
O mistério do sumiço de Olavo persistia. A mansão do Fundo da Lagoa do Barreiro continuava sendo conhecida por todos que por lá ficavam, e esquecida por todos que de lá voltavam para o mundo de cima.

Postar um comentário