domingo, dezembro 11, 2011

A disputa entre Google e Facebook nas entrelinhas

Quando a fama ainda não havia chegado, o jovem Mark Zuckerberg acompanhou com atenção as palavras de Bill Gates em uma palestra na Harvard. Hoje em dia, o que mais vemos é uma disputa entre Google e Facebook nas entrelinhas. Não entre Mark e Bill, pois o Gates está mais preocupado em salvar o mundo que a sua empresa, que continua indo muito bem,obrigado. E por ter uma atuação tão grandiosamente destacada em sua Bill & Melinda Gates Foundation, eu constantemente tiro o chapéu para ele.

Mas é interessante acompanhar a disputa entre Google e Facebook pelo gosto do internauta nas redes sociais. Presto atenção nas afirmações das duas gigantes e o jeito que eles tentam se esquivar para tirar um pouco a atenção da concorrente, como se isso fosse possível.

Por um lado, o chefe de negócios do Google, Nikesh Arora, disse há duas semanas, no dia 11 de Novembro, que o Google+ não é uma rede social. Ele quis passar a idéia de que o Google+ agrega elementos sociais a todos os serviços e produtos que oferecem. É bem provável que ele queira passar ao público a mensagem de que “hey, fique no Google e seus sites, quando quiser se socializar, o Google+ está pronto para você usar.” Indo mais além, incorporar o Google+ em tudo, inclusive no Facebook, pode ser a estratégia do Google para abocanhar tudo.

Três dias depois, Mark Zuckerberg contra-atacou para o Facebook. Disse para um programa de televisão norte-americano que o Google+ seria uma pequena versão do Facebook. Com isso, a mensagem que ele desejou passar provavelmente foi “hey, mercado, não ligue para o Google+, eles não estão aí para alojar todo mundo não, isso é coisa para nós do Facebook.”

Ninguém quer admitir, mas a verdadeira batalha é esta: quem vai alojar o mundo inteiro. De um lado do ringue, o Google diz que o Google+ não é uma rede social, mas sim que agrega elementos sociais a qualquer coisa, site, ferramenta deste mundo da web. Do outro lado do ringue, o Facebook diz que o Google+ é um mini-Facebook, para tentar convencer o mundo de que tudo, perto do Facebook, é mini. E assim, atingir seu objetivo principal, que é fazer o mundo todo se conectar pelo Facebook.

Assim, a verdadeira disputa nas entrelinhas é para conquistar o título de site que engoliu toda a Internet. Na verdade, uma disputa mais para a mídia e para os egos. Pois não é visualizável, pelo menos por enquanto, que alguma destas empresas possa chegar a cair tanto quanto o Yahoo! caiu depois de tanto estrelato. Os modelos de Google e Facebook parecem ter aprendido dos erros da velhinha e precursora Yahoo! Que ela não nos ouça (leia)...

Já no mundo financeiro, a luta do Facebook deve ser para conquistar a solidez que o Google já possui. Nesta seara, os números ainda são bem diferentes, apesar de crescentes para as duas empresas. O Google teve um lucro 17,35% maior no 1o. Trimestre de 2011, em relação ao mesmo período de 2010, chegando a um lucro de US$2,3 bi para um faturamento de US$8,58 bi. Enquanto isso, a Reuters especula que o Facebook, que ainda não divulga seus balanços, tenha faturado US$1,6 bi. Mas em 6 meses...ou seja, apesar do Facebook estar crescendo em um ritmo provável de 50% por semestre, ainda fatura aproximadamente 10 vezes menos que o Google. Muito chão para percorrer. Mas nada que deva tirar o sono de um cidadão normal. Você perderia o sono com um 2o. lugar no seu segmento, faturando mais de 1 bi de dólares por semestre?

Eu não. Mas que esta disputa rende, ninguém tem dúvida...

Postar um comentário