domingo, agosto 12, 2007

No fundo da Lagoa do Barreiro-8

Depois de quatro caipirosas no quarto de Dora, Olavo resolveu conhecer o quarto vizinho. Nele estavam as irmãs trigêmeas Clara, Luna e Sarah, as sereias 6,7 e 8. Elas foram descobertas por Ana Jacinta ao realizarem um sonho de criança de nadarem na Lagoa do Barreiro sozinhas depois de uma festa.
No dia, as três horas da manhã relatavam apenas quatro pessoas na Lagoa: as trigêmeas e Ana Jacinta, que surgiu de repente no meio do nado das irmãs. Refeitas do susto, tascou Ana Jacinta:
- Que tal conhecerem minha mansão? Fica a alguns metros de nado. Vou emprestar-lhes uns tucanáticos que tenho, um aparelho que lhes permite 24 horas de autonomia de nado. Mas vocês não precisarão nem de dez minutos.
As trigêmeas, não se sabe se pelo susto de reconhecerem Ana Jacinta ou se tomadas pela onda de surpresas e realizações de sonhos da noite, toparam.
O nado foi rápido e logo elas estavam dentro da Mansão do Fundo da Lagoa do Barreiro, de onde nunca mais saíram. Nem por isso perderam o ar de sonho do dia do encontro com Ana Jacinta. E foi isso que Olavo presenciou ao conhecê-las.
“ Vocês servem caipirosas também, meninas?”, perguntou o mais novo morador da mansão.
“ Não, mas neste quarto aqui você vai poder conhecer um pouco mais do mundo encantado de Ana Jacinta.Venha.” Com esta ordem, as trigêmeas levaram Olavo a um dos caprichos mais interessantes que Ana Jacinta construiu em sua mansão. Ao abrir a porta dos fundos do quarto destas sereias, Olavo e todos os outros freqüentadores encontram de cara uma grande cachoeira, com o nome conhecido por muitos: Cascatinha. Uma cachoeira no meio de um quarto, povoada de luz imitando perfeitamente a natural, cercada de árvores, pedras e lama.
Não se sabe se por isso a Cascatinha do mundo exterior possui hoje tão pouca água. Mas o que não se pode negar é que Clara, Luna e Sarah souberam usar deste belo cenário para manter os sonhos que tinham lá no mundo de fora. Os delas e os dos outros.

Postar um comentário