quinta-feira, agosto 16, 2007

Se eu fosse...

Se eu fosse garçom, serviria primeiro aos pobres. Se eu fosse jogador de futebol, conservaria intacta a canela de meu companheiro de profissão. Se eu fosse advogado, pediria encarecidamente para ladrões cientes de suas falcatruas procurarem por outro colega. Se eu fosse muito porco, procuraria me sujar de coisas sem agrotóxicos pelo menos.

Se eu fosse um veterinário, pesquisaria por anos até achar vacinas orais, sem usar seringas. O mesmo para “ se eu fosse” anestesista, enfermeiro ou aplicador de seringas em geral.Pensando bem, para drogas não. Mas se eu fosse drogado...hum, bem, não consigo pensar nesta hipótese ridícula. Talvez quem sabe procurar não ofender tanto meus familiares.

Se eu fosse adolescente de novo depois de ser adulto, certamente teria um pouco menos de razão em tudo.

Se eu fosse preconceituoso, procuraria acabar logo com esta enfermidade. Para isso, deveria estar sempre com a alma aberta, não somente os ouvidos.

Se eu fosse muito rico, doaria muito dinheiro. Se eu fosse muito pobre, não aceitaria muito as doações, procuraria antes aprender como desempobrecer.

Se eu fosse dona-de-casa, procuraria ler menos revistas de fofocas e mais revistas de anedotas. Só pra rimar fofocas com anedotas. Rima meio estranha, mas tudo bem, faz parte do show.

Se eu fosse piloto de avião, juro que não voaria no Brasil enquanto não resolvessem a tal da crise aérea. Poderia até ficar desempregado, mas daria um jeito. Só não rodaria a bolsinha. Mas se eu fosse prostituta, mandaria as clientes tomarem banho antes.Claro, eu seria uma prostituta lésbica e só para mulheres.

Se eu fosse presidente do Brasil, eu eliminaria em meu primeiro dia algumas centenas de cargos de confiança. Nos outros dias, outras centenas.

Mas como não sou nada disso, e sou apenas eu, procuro ser sempre melhor do que no momento anterior. Se eu errar, já peço desculpas. Se eu acertar, ficarei lisonjeado com seu elogio ( elogie). Mas ainda não sei exatamente como reagir após eles. Deve ser o tal do amadurecimento constante. Ainda não amadureci o suficiente para tanto. Que eu amadureça sempre enquanto dure por aqui. E que eu dure nesta vida muito mais que meus pais. E menos que meus filhos.
Postar um comentário