quinta-feira, julho 05, 2007

No fundo da Lagoa do Barreiro-4

Para acalmar a ira de Olavo, e aliviar um pouco as dores do galo, Ana Jacinta deu-lhe duas pílulas de lama e levou-o ao quarto da sereia número 2. Com sua vasta experiência nas questões masculinas, sabia não existir melhor tranqüilizante.

A sereia número 2 atende pelo nome de Agar. Muito séria e concentrada em seus afazeres, Agar recebeu-o bem, porém sem muito papo. Típico dela. Cabelos curtos, quase castanhos, ar de sereia que sabe onde nada.

O quarto da sereia número 2 fica exatamente abaixo do deck dos pedalinhos. Este fato pode ter contribuído para realçar a seriedade de Agar durante os anos. Crianças gritando e pedalinhos arranhando seu teto foram retirando dela sua alegria pouca.

“ Agar, como você agüenta viver numa casa com 34 mulheres?”, perguntou Olavo. “ Ora, Olavo, pois é o chamariz perfeito para os homens que Ana Jacinta traz para cá, Olavo, O Escolhido”, soltou Agar para o espanto de Olavo, não entendendo esta nova expressão que pulou da boca de Agar sem que ela reparasse.

Para que os homens trazidos por Ana Jacinta não lembrassem de suas visitas á mansão jacintiana, as pílulas de lama funcionavam também. Mas neste caso, ela as colocava dentro de um copo de água sulfurosa da Fonte Andrade Júnior, que ela colhia duas vezes ao mês, lá pelas quatro da manhã. Para o delírio dos amigos de um dos porteiros do Grande Hotel, agraciado por muita sorte, segundo ele, com a visão de Ana Jacinta nas duas vezes mensais que ela apareceu para coletar água sulfurosa. Seus amigos sempre trucaram tal informação, não antes de muita ironia com o porteiro.

Do lado de fora do lago, Cordélia coordenava havia 2 dias uma busca por Olavo.Corpo de Bombeiros, IML, pastores rezando, curiosos. Uma multidão se formava toda manhã, sedenta por notícias. Mal ela sabia que Olavo, começando a se contentar com seu novo mundo aquático, ainda tinha 32 quartos para descobrir.

Postar um comentário