sexta-feira, outubro 20, 2006

Naya é um, Nahas é outro




Resolvi fazer hoje um serviço de utilidade pública. Devido ao fato do mega-investidor Naji Nahas ter voltado à mídia , um amigo meu citou a falta de memória do povo brasileiro, e começou a perguntar no local onde trabalha quem era Naji Nahas.
" Que palavrão é este? ", foi a primeira resposta recebida. Só que meu amigo tropeçou em suas lembranças. " Foi aquele cara do Palace 2", disse ele.
Biiiiip! Sinal de alerta.
Os nomes são parecidos, mas os fatos são bem diferentes, ambos nada glamourosos.
Em Junho de 1989, a empresa de Naji Nahas, Selecta Comércio e Indústria, resolveu passar um cheque sem fundo de na época 38 milhões de cruzados. Pediria a ajuda de algum amigo economista, como o Márcio Pimenta, para fazer a atualização para os valores de hoje.
Com isso, ele simplesmente quebrou a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. Em 1997, foi condenado a 24 anos de prisão, mas nunca cumpriu a sentença por mais que pequenos períodos.Na época, chegou a ficar 102 dias fugido da polícia. Até onde sei, a sentença já foi anulada.
Já o caso do ex-deputado Sergio Naya é ainda mais grave, dependendo do ponto de vista. Em 1998, o prédio Palace 2 desabou, matando oito pessoas e deixando oitenta e duas famílias sem moradia. Em Março de 2004, Naya, dono da construtora Sersan, responsável pela obra, foi preso tentando fugir para o Uruguai. Ficou 108 dias na carceragem, mas foi solto. A pena total seria de dois anos e oito meses. Mas no ano passado, foi absolvido.
Como vocês podem ver, Naya é diferente de Nahas.
O que não difere é o tratamento dado.
Será que nenhum destes dois mereceu ficar tempo maior na cadeia?
Pergunta que não respondo. Apenas coloco pra refletirmos.

Fred Neumann diferenciou aos 189.767 artigos em português da Wikipédia.
Foto do Naya do JB Online.
Foto do Nahas, do Terra
Foto do desabamento no Rio, da Folha

Atualização: E o desabamento dos 3 prédios agora? Quem são os culpados? Vão aparecer? Ou será mais um capítulo para esta triste história? Link para o infográfico sobre a tragédia.

Postar um comentário