quarta-feira, dezembro 13, 2006

Sanitário do sanatório


O sanitário do sanatório entupiu
Ficou nele muitos restos carregados
Neurônios, bolinhas de papel
Bonecas, tristezas
E o céu que nunca vinha
Inventaram histórias de jornal
Colocaram comprimidos esquecidos
Esquisitos, esquisitos
No espaço, congestão, congestionado
Não há laço com ninguém
Só a treva escuridão
Vem mais um interrogatório
Logo mais ao entupir
O sanitário do sanatório
Não há mais onde sair
Era o último destino
Travou...

Inspirado na foto de Carlos Henrique Machado
Postar um comentário