segunda-feira, setembro 25, 2006

Algum dia na ilha...

Eu não lembro mais do que fiz ontem
Sou ciente do que fiz mas não me contem
Eu não quero acreditar na lambuzeira
Algo tão sujo que nem cheira

Se eu perder o caminho do meu ninho
Traz avião que transporta o canarinho
Distraído governante que sou, voarei
Para um lugar onde possa ser o rei

Um continente distante, com charutos
Meus matutos levarei, sem canudos
Levo as carnes, não convido o churrasqueiro
Pra acender o fogo, levo um isqueiro

Com sua chama, não reconhecerei ninguém
Pedirei que me esqueçam, como Figueiredo ontem

Algum dia na ilha...
Postar um comentário